Domingo, 21 de Dezembro, 2014

Adesão da Venezuela ao Mercosul será oficializada em julho no Rio de Janeiro

O ingresso será oficializado no dia 31 de julho em uma reunião de cúpula dos países do Mercosul no Rio de Janeiro.Em Caracas, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, comemorou a entrada no bloco regional.

Mendoza - O Mercosul aprovou a entrada da Venezuela como membro permanente do bloco. A decisão foi aprovada por Brasil, Argentina e Uruguai, sexta-feira (29), em Mendoza, na Argentina. O ingresso será oficializado no dia 31 de julho em uma cúpula no Rio de Janeiro.

A Venezuela pediu adesão ao organismo em 2005, mas o Congresso do Paraguai não aprovou o ingresso, porque o país não respeita valores democráticos exigidos pelo grupo. Os congressos do Brasil, Uruguai e da Argentina foram favoráveis ao novo sócio.

O anúncio foi feito pela presidente argentina, Cristina Kirchner, que junto com Dilma Rousseff e José Mujica, do Uruguai, estão reunidos para discutir a crise no Paraguai. Segundo Cristina, a suspensão paraguaia do Mercosul vale "até que se cumpra o processo democrático e que novamente se instale a soberania popular no país e elejam livremente o presidente".

Na reunião de Mendoza, o Paraguai não estava presente, porque está suspenso por causa da destituição de Fernando Lugo. A suspensão é temporária até que ocorram novas eleições gerais no país, previstas para 2013.

Em Caracas, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, comemorou a entrada no bloco regional, que, segundo ele, provocará impacto social, econômico e político para o fortalecimento da integração latinoamericana.

Desde que Lugo foi retirado da Presidência, os mandatários sul-americanos já haviam criticado o processo de destituição, ao considerarem rápido e sem chance de defesa adequada para o ex-bispo católico. Lugo foi acusado de mau desempenho na função de presidente do país, após um conflito agrário ter resultado na morte de 17 pessoas. Os deputados e senadores aprovaram a saída dele do poder em um dia.

A presidenta da Argentina – país que está com a presidência temporária do bloco - afirmou que não haverá sanções econômicas ao Paraguai. "Nosso objetivo é garantir a melhor qualidade de vida aos povos do Mercosul".

Adicionar comentário

Seu apelido/nome:
seu email:
Comentário: